Meu perfil
BRASIL, Nordeste, JOAO PESSOA, BRISAMAR, Homem, Portuguese, English, Livros, Informática e Internet



Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Siga-me no Twitter
 Grupo Paraíbas
 Azougue
 Blog do Borjão(CE)
 Blog do Samuel Júnior
 Músicas Anos 80
 Músicas do seu aniversário
 1001 CDs para ouvir
 Saudade FM - Boas músicas
 Saite de linques úteis
 " target="_blank">Time
 Blospot




Blog de Mário Negócio
 


Mistérios Gozosos: Natalidade e crescimento de Jesus  Terço da Misericórdia - Eliana Sá
Clíque abaixo:
Santos do Dia
Santo Anselmo
São Conrado de Parzham


Escrito por mnegocio às 10h21
[] [envie esta mensagem
] []





Dia da Fundação de Brasília(DF)
Da esquerda para a direita: Congresso Nacional do Brasil, Ponte JK, Eixo Monumental, Palácio da Alvorada e Catedral Metropolitana de Brasília.
Brasília em sua inauguração
"Deste Planalto Central, desta solidão em que breve se transformará em cerébro das mais altas decisões nacionais, lanço os olhos mais uma vez sobre o amanhã do meu país e antevejo esta alvorada, com uma fé inquebrantável e uma confiança sem limites no seu grande destino".
Juscelino Kubistchek
 
"Tudo teve início na cidade de Jataí, em Goiás, a 4 de abril de 1955, durante minha campanha como candidato à Presidência da República. Os políticos que me antecederam realizavam sua pregação ao longo das cidades e capitais, situadas na faixa litorânea. Só ocasionalmente quebravam a linha desse roteiro, concordando em fazer um comício num centro populacional do interior. A conduta que adotei era inédita, e revelou-se da maior eficiência possível. Ao invés das populações do litoral, iria falar, em primeiro lugar, aos eleitores do Brasil Central."
"Daí a razão por que o meu primeiro comício foi realizado justamente em Jataí, cidade perdida nos sem - fins de Goiás. No discurso que ali pronunciei, referindo-me à agitação política que inquietava o Brasil e contra a qual só via um remédio eficaz - o respeito integral às leis -, declarei que, se eleito, cumpriria rigorosamente a Constituição. Contudo, era meu hábito, que viera dos tempos da campanha para a governadoria de Minas Gerais, estabelecer um diálogo com os ouvintes, após concluído o discurso de apresentação da minha candidatura. Punha-me, então, à disposição dos eleitores para responder, na hora, a qualquer pergunta que quisessem formular-me."
Antes de ser construída, a capital do Brasil, foi profetizada em Turim, Itália, pelo padre salesiano João Bosco. Ele sonhou que uma grande civilização iria nascer entre os paralelos 15 e 20 exatamente no local em que Brasília foi construída.
O desejo de mudar a capital do Brasil para o interior era antigo. Em 1716, o Marquês de Pombal aventou essa necessidade, visto que uma capital no litoral - como o foram Salvador e Rio de Janeiro - poderia ser facilmente tomada de assalto por nações inimigas. Em 1821, José Bonifácio de Andrada e Silva sugeriu o nome "Brasília", quando era vice-presidente da junta que cuidava do assunto da interiorização da capital.
Somente na primeira Constituição da República, em 1891, foi estabelecido o local onde deveria ser construída a futura capital brasileira. Durante as festividades do centenário da Independência do Brasil, em 7 de setembro de 1922, foi lançada no morro da Capelinha, em Planaltina, a pedra fundamental do Distrito Federal. Estava definitivamente marcado o local que seria o berço da grande civilização profetizada por Dom Bosco.
Somente a partir de 1956, com a eleição de Juscelino Kubitschek de Oliveira, Brasília começou a ser construída. Foi criada a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (NOVACAP) com Oscar Niemeyer na diretoria de arquitetura e urbanismo. A NOVACAP abriu concurso para a escolha do plano-piloto, cujo vencedor foi Lúcio Costa.
Em pouco tempo, fiaram prontos não só os desenhos de todos os prédios públicos, como também os de grande parte dos residenciais. Lúcio Costa criou o projeto urbanístico de Brasília, partindo do traçado de dois eixos que se cruzavam em ângulo reto, como uma cruz. Esses eixos foram chamados de Rodoviário e Monumental. O Eixo Rodoviário, que cortava as áreas residenciais do plano piloto, foi levemente arqueado; a cruz tomou a forma de um avião, dando origem às famosas Asa Norte e Asa Sul. O Eixo Monumental, com 16 quilômetros de extensão, foi destinado às autarquias e aos monumentos. Foi dividido em três partes: lado leste, com prédios públicos e palácios do governo; centro, com a rodoviária e a torre de TV; lado oeste, com os prédios do governo do Distrito Federal. Em frente ao Palácio da Alvorada, foi construída a Ermida Dom Bosco, em homenagem ao padre salesiano.
Aos 21 de abril de 1960, após mil dias de construção, o presidente Kubitschek inaugurou Brasília, a nova capital do Brasil, instalando o Distrito Federal. Em 1987, Brasilia foi declarada patrimônio histórico da humanidade pela Unesco.
O quadro “Sentença de Tiradentes”: Portugal utilizava a violência como instrumento repressivo
Em meados do século XVIII, Minas Gerais enfrentou grave crise econômica, pois suas jazidas de ouro começaram a se esgotar. Mesmo em meio a essa decadência, o governo português continuou exigindo que os mineiros pagassem pesados impostos.
Em 1788, Luís Antônio Furtado de Mendonça, o Visconde de Barbacena, chegou a Vila Rica (atual Ouro Preto), vindo de Portugal, com ordens expressas de reformar o sistema tributário e obrigar Minas gerias a pagar cem arrobas (ou 1.500 kg) de ouro por ano para a Coroa, de acordo com um decreto real. Se estes não fosse cumprido, o Visconde deveria cobrar a "derrama" - nome dado ao imposto extra, que seria pago por toda a população, para completar as cem arrobas - em fevereiro de 1789. Revoltados contra essa imposição os membros da elite econômica e cultural de Minas gerais se reuniram para planejar um movimento, que foi batizado de Inconfidência Mineira e calcado nas idéias liberais e iluministas que vigoravam entre a elite intelectual da Europa.
Em dezembro de 1788, o tenente-coronel Francisco de Paula Freire de Andrade, comandante do regimento da cavalaria de Minas, os afamados Dragões, reuniu-se em sua casa com José Álvares Maciel, o alferes Joaquim José da Silva Xavier, chamado de Tiradentes, Alvarenga Peixoto, o padre Oliveira Rolim e o negociante mais endividado da capitania, Joaquim Silvério dos Reis. Seu objetivo era planejar um levante contra a Coroa e decidir sobre a defesa da livre produção a transferência da capital para São João del Rei e a adoção da bandeira com o lema "LIBERTAS QUAE SERA TAMEM" ("Liberdade ainda que tardia"), entre outros.
O levante foi, então, marcado para o dia da cobrança da derrama, mas os planos para o golpe eram muito vagos. O movimento não tinha nenhum caráter popular e visava apenas pôr fim à opressão portuguesa, que prejudicava a elite mineira.
Por ser um movimento desorganizado, cujo objetivo era pouco claro, a Inconfidência Mineira não durou muito tempo. Findou quando Joaquim Silvério dos Reis denunciou os companheiros ao Visconde de Barbacena, então governador de Minas Gerais. Com isso, Silvério dos Reis conseguiu o perdão para suas dívidas com a Fazenda Real.
Todos os participantes da Inconfidência Mineira foram presos, julgados e condenados. Onze deles receberam sentença de morte, mas D. Maria I, rainha de Portugal, concedeu-lhes nova pena: foram exilados para outras colônias portuguesas na África. Apenas Tiradentes teve sua pena de morte mantida. Era ele, justamente, o homem mais pobre e o mais entusiasmado com os ideais de independência. Em 21 de abril de 1792, Tiradentes foi enforcado e esquartejado. Esse dia foi considerado feriado nacional, por meio de um decreto real de 1890. A lei no 4.897, de 9/12/1965, proclamou Tiradentes o Patrono Cívico da Nação Brasileira.
Qual é a origem da expressão popular "uai", dita pelos mineiros?
A expressão surgiu durante o movimento de Inconfidência Mineira, ocorrido em Minas Gerais em 1789. Por ser um dos primeiros movimentos a favor da independência do Brasil da Coroa Portuguesa, os participantes da Inconfidência precisavam se comunicar através de senhas e códigos secretos. Como as reuniões eram feitas em porões e esconderijos, uma das técnicas usadas era bater na porta três vezes e responder à pergunta "Quem é?" com a expressão "UAI" - sigla para "união, Amor e Independência". Apesar do fracasso dos inconfidentes, a palavra acabou entrando para o vocabulário dos habitantes de Minas Gerais.


Escrito por mnegocio às 09h06
[] [envie esta mensagem
] []





Dia de Tiradentes
Patrono Cívico da Nação Brasileira
Tiradentes o grande heroi da Inconfidência Mineira
História
Tiradentes era dentista e curandeiro afamado. Militar, tinha a confiança dos superiores, apesar de passado pra trás em promoções. Na Inconfidência, pregava liberdade nas tavernas, prostíbulos, estradas. Andava com dicionários, tentando traduzir iluministas franceses e leis americanas. Também o chamavam Corta-Vento, Gramaticão, “o República”, “o Liberdade”.
Certidão de batismo: 1746, Fazenda do Pombal, São João del-Rei; Joaquim José da Silva Xavier, filho de português e brasileira. Perde a mãe aos 9 anos e o pai aos 11. Criado pelo padrinho, dentista Sebastião Ferreira Leitão, com quem aprende o ofício. Aos 18, tropeiro. Aos 29, militar.
Preso e interrogado, nega-se a falar. Após seis meses incomunicável, assume sozinho a liderança da revolução fracassada. É o único que não recebe clemência real: companheiros condenados foram para o degredo na África. É enforcado no Rio a 21 de abril de 1792.
Mártir ou inocente útil? Herói ou louco? A história lhe fez justiça: mártir e herói.
Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, nasceu em Minas Gerais, em 1746. Aos nove 9 anos ficou órfão de mãe; aos 11, órfão de pai. Bem cedo começou a trabalhar como vendedor ambulante; mais tarde, tornou-se dentista - daí seu apelido -, depois ingressou na carreira militar e chegou ao posto de alferes (hoje segundo tenente).
Naquela época, as forças opressoras dos colonizadores privilegiavam pessoas de origem portuguesa em detrimento dos brasileiros natos, que eram obrigados a pagar altos impostos. Destes, o mais pesado obrigava o mineiro a entregar a quinta parte da extração de minério à Coroa portuguesa. O não-pagamento do quinto dava origem à de "derrama", ou seja, cobrança à força de impostos extras. Esse regime gerava descontentamento geral e um clima de insurreição entre os colonos.
Um grupo de intelectuais se uniu então, em prol do fim da derrama e em favor da independência do Brasil; entre eles, estava Tiradentes. O movimento recebeu o nome de "Inconfidência Mineira" e tinha objetivos bastante audaciosos:
- realizar um levante armado no dia da derrama;
- proclamar uma República, cuja capital seria São João del Rei;
- abolir a escravidão;
- fundar uma universidade em Vila Rica, nos moldes da Universidade de Coimbra;
- tornar obrigatório o serviço militar, com prêmio para as mães de convocados;
- confeccionar uma bandeira com um triângulo vermelho dentro de um retângulo branco, com os dizeres Libertas quae sera tamem, (Liberdade ainda que tardia).
Um de seus companheiros, Joaquim Silvério dos Reis, denunciou o grupo; todos foram presos. Os acusados acabaram desertando. Mas tarde, foram degredados para a África. Tiradentes, porém, manteve-se fiel ao ideal, assumindo toda a responsabilidade pelo movimento.
Aos 21 de abril de 1792, Tiradentes foi enforcado no Rio de Janeiro, sob a acusação de alta traição. Seu corpo foi esquartejado e espalhado por pontos estratégicos da cidade, para coibir futuros opositores.
Pelo seu martírio em prol dos ideais de liberdade da pátria e do indivíduo, Tiradentes foi nomeado Patrono Cívico da Nação Brasileira, e a data de sua execução foi instituída como feriado nacional.
CURIOSIDADE
Dom João ordenou “perpétuo silêncio” sobre os Autos da Inconfidência. O ministro Martinho de Mello e Castro levou tudo para casa. Descendentes dele só descobriram os papéis 158 anos depois. Ou seja, meio século atrás.
TIRADENTES: O QUE A HISTÓRIA NÃO CONTOU
Edílson Xavier de Menezes
O que a história não contou, atrevo-me, com a devida vênia a dizer, até como desagravo a memória do mártir.
Joaquim José da Silva Xavier, o alferes da milícia da corte, cognominado "Tiradentes". Iniciado na sublime ordem maçônica, onde conheceu a luz menor. Entusiasta, o jovem Tiradentes aprendeu além de outros, o ofício básico de dentista, sem cursar nenhuma escola. Usava sua prática gratuitamente pelo prazer de aliviar a dor daquele que necessitasse. Sentindo-se feliz por ser útil ao seu semelhante.
Ficou órfão de pai e mãe aos 15 anos de idade. Ficando sob a custódia de um tio até a maioridade.
Entusiasta da liberdade gostava de ser livre como declarado fora em sua iniciação maçônica.
Vendo o povo do Brasil colônia, ser demasiadamente explorado pela corte, na extração do ouro, resolveu e tomou por decisão criar um movimento de liberdade. Para tanto, escolheu a dedo seus companheiros, irmãos de maçonaria, que perfazia o total de onze, (posteriormente deu-se o nome de inconfidentes). Dentre os onze, além de Tiradentes, fazia parte o poeta Cláudio Manoel da Costa, que se suicidou na prisão. O apaixonado Dirceu, cuja paixão era por Marília, sua musa, (inspiradora dos poemas de Cláudio), que ficou conhecida como Marília de Dirceu. Entre os demais, figurava Padre Oliveira Rolim, Joaquim Silvério dos Reis, Alvarenga Peixoto, cônego Luiz Vieira da Silva, entre outros. Toda discussão e plano do movimento dava-se em reuniões discretas, sob a liderança de Tiradentes. Havia um jovem no movimento, Tomas Antônio Gonzaga, que estudava direito nos Estados Unidos da América. Sempre era ele o incumbido de contatar o governo americano, para obter o apoio ao movimento. O que ninguém sabia, o governo yankee, era todo composto por mações, daí a liberdade do enviado do movimento dos inconfidentes, ter passagem livre no palácio do governo americano.
UM TRAIDOR DO MOVIMENTO
O coronel da cavalaria geral, Joaquim Silvério dos Reis, era devedor de uma vultosa quantia ao reino português, onde fez um acordo de perdão da dívida, delatando ao visconde de Barbacena o movimento e seus idealizadores, em carta de próprio punho. Aqui abro um parêntese, para dizer que, quase sempre, o vil metal está acima do caráter e do ideal de alguns fracos homens. Assim como o divino mestre foi traído em troca de dinheiro, Tiradentes também, quase coincidindo com a mesma cena praticada por Judas Iscariotes. Dessa vez repetida por Silvério.
Assim, preso foi Tiradentes e seus companheiros, menos Joaquim Silvério dos Reis.
Tiradentes, no ato de sua prisão, cobriu-se com a bandeira que ele mesmo idealizara e desenhara, entregando-se sem reação aos comandados de sua prisão. O presídio da ilha das cobras foi o lar de Tiradentes por três anos, onde sofreu toda espécie de tortura física.
Os demais companheiros de Tiradentes foram condenados ao degredo na África.
Por três anos, todos os dias, Tiradentes era interrogado e torturado, com a  promessa de seus torturadores, de libertá-lo se assinasse um documento de culpa, delatando seus  companheiros, pois se assim o fizesse, a carta denunciante de Silvério dos Reis teria mais crédito e validaria sua denúncia, o que Tiradentes recusou-se, assumindo sozinho a culpa pelo movimento. (Aí se denota o caráter do homem iluminado).
Por isso foi condenado pela corte, à morte por enforcamento.
O PALCO DO ESPETÁCULO PÚBLICO.
Montado o palco do espetáculo público na lampadosa, foi Tiradentes conduzido, vestido numa túnica branca dos condenados. Caminhou descalço, em passos certos e cabeça erguida. Subiu ao cadafalso, conduzido por seu executor, o escravo "capitania", de quem Tiradentes havia há tempos aliviado a dor pela extração de um dente enfermo. Perguntado que fora, o que desejava antes de morrer, respondeu com um brado de coragem: Se dez vidas eu tivesse, dez vidas eu daria. Pediu à capitania, quando o cadafalso abrisse sob seus pés, montasse em seus ombros. Beijou as mãos do seu executor, dizendo-lhe, oh! Meu amigo! Deixe-me beijar-lhe também os pés. Capitania chorou, lágrimas viam-se desenhar no rosto negro do escravo. Naquele instante, no mínimo, capitania sentiu-se o pior dos homens, como escravo, obrigado que era, cumprir as ordens que lhe impusera a corte, sendo o executor daquele que outrora se sentiu feliz por aliviar-lhe a dor.
Faça o que tem que fazer, seja breve, disse-lhe Tiradentes.
Abre-se o cadafalso, um corpo rodopia no ar pendurado por uma corda. O escravo faz o que Tiradentes lhe pedira. Monta em seus ombros, como se cavalgasse o mais belo  dos alazões. O corpo desfalece solto no ar, já sem vida. Tiradentes não sufocou, não houve tempo para tanto. O peso de seu corpo somado ao de capitania foi o suficiente para romper a primeira vértebra da coluna cervical. Portanto, Tiradentes não morreu enforcado.
Vozes invisíveis entoaram naquele instante um cântico desconhecido, mas audível pelos presentes. Uma alma iluminada já não habitava mais aquele corpo. Desenhava-se no céu seu trajeto, e um portal abria-se, onde na sua entrada seus irmãos o aguardavam, conduzindo-o ao trono da Luz Maior do Oriente Eterno.
Tiradentes
A CONCLUSÃO DA OBRA.
Trinta anos passados, um jovem príncipe era iniciado na mesma ordem de Tiradentes, onde ali conheceu a verdade. Entre os escritos arquivados de Tiradentes, havia um que dizia: Na minha falta, haverá de vir um homem para concluir minha obra que é bela e justa. O leitor há-de convir que um ideal muito forte existia no coração de um homem, para que outro homem fosse contra a obediência paterna e monárquica do seu prórpio país, para dar continuidade a uma obra de liberdade iniciada com a doação de uma vida de alguém iluminado. 
E assim, a 24 de agosto de 1822, Dom Pedro I, nos corredores da maçonaria, com a espada fazia um círculo no ar e dava o grito de independência do Brasil, para torná-lo público, às margens do riacho Ipiranga, em sete de setembro do mesmo ano. Ficando assim publicamente, o Brasil liberto de Portugal, deixando de ser colônia para ser a grande nação em que se tornou. Concluindo-se aí a obra de liberdade idealizada e sonhada por Joaquim
Considerações finais: A obra exposta é de autoria e de inteira responsabilidade do autor, resguardando-se toda e qualquer informação sigilosa e respeitando-se o original do texto.


Escrito por mnegocio às 08h39
[] [envie esta mensagem
] []





Dia das Polícias Militares
A palavra "polícia", do latim politia, significa "governo de uma cidade, administração, forma de governo". Mas a denominação moderna conferiu-lhe um sentido particular: "polícia", passou a representar a ação de um governo, de ordem jurídica, visando resguardar a sociedade de violações e crimes.
No Brasil, a autoridade policial é dividida entre a Polícia Militar e a Polícia Civil. A chamada "polícia" enquanto instituição, chegou ao Brasil com Martim Afonso de Sousa, em 1530, com o objetivo de combater os traficantes franceses e fundar núcleos de povoamento no litoral, promover a justiça civil e criminal e nomear funcionários públicos. Desde então, a polícia brasileira passou por inúmeras reformulações até a chegada do príncipe regente D. João. Nessa ocasião, foi criado o cargo de intendente-geral de polícia, ocupado pelo desembargador Paulo Fernandes Viana, que ficou encarregado de criar as diversas seções da instituição.
Após a Independência, foi editada a lei no 261, de 3/12/1841, que criou no município da Corte e em cada província o cargo de chefe de polícia e de delegados e subdelegados, nomeados diretamente pelo imperador ou pelos presidentes da província. Em 20/9/1871, a lei no 2.033 separou as instituições Justiça e Polícia. Essa lei, regulamentada pelo decreto no 4.824, de 22/11/1871, estabeleceu importantes disposições da legislação judiciária, entre as quais o inquérito policial, que existe até hoje.
Em 1926, inspirada na polícia de rua londrina, a cidade de São Paulo, como todo o estado, passou a contar com um efetivo de mil policiais uniformizados, que formavam a Guarda Civil, para auxiliar a Força Pública no policiamento ostensivo de rua. Durante o regime militar, em 1969, essas duas forças foram extintas; de sua fusão, nasceu a Polícia Militar do Estado de São Paulo.
A vocação de policiamento ostensivo e preventivo da Polícia Militar vem desde os tempos da Guarda Civil, que passou a ser imitada em todo o país, visto que os outros estados brasileiros passaram a adotar a Polícia Militar no policiamento preventivo e a Polícia Civil na investigação dos crimes, divisão que perdura até hoje.
A Polícia Civil é composta por policiais "de carreira", encarregados não só de investigar crimes e contravenções, como também de reunir provas sobre suas circunstâncias e sua autoria, atuando primordialmente após a ocorrência do fato criminoso. Além disso, é de sua competência elaborar boletins de ocorrência (B.O.) de qualquer natureza, expedir cédulas de identidade, atestados de antecedentes criminais e de residência, registros de porte de arma de fogo e alvarás de produtos controlados, entre outras atividades.
A Polícia Militar é composta por policiais fardados incumbidos de prevenir as condutas criminosas, zelar pela ordem pública, efetuar policiamento preventivo e ostensivo em todas as suas modalidades: policiamento motorizado e a pé; policiamento florestal e de mananciais; policiamento de trânsito urbano e rodoviário; policiamento montado; policiamento com cães; policiamento escolar; policiamento de guarda; policiamento em praças desportivas; policiamento tático motorizado; rádio-patrulhamento aéreo; rondas ostensivas; rondas ostensivas com apoio de motocicletas.
A comemoração do Dia das Polícias Civis e Militares foi instituída pelo presidente Dutra, mediante o decreto-lei no 9.208, de 29/4/1946.
Dia da Latinidade
Dá-se o nome de "latinidade" ao conjunto dos povos latinos e seu respectivo modo cultural e social de ser. Antes da fundação de Roma, os povos que habitavam a região da Itália eram chamados "itálicos", de origem indo-européia. Eles chegaram à região, muito antes da destruição de Tróia e mesclaram-se aos nativos, dando origem a grupos e subgrupos (latinos, faliscos, prenestinos, úmbrios, oscos etc.). O povo latino era o mais famoso desses grupos e habitava os arredores de Roma, na Itália central.
Não se pode afirmar que tenha havido ou que haja uma raça latina. É notório, porém, que há um grupo latino de povos ou nações que se tornaram irmãos por afinidades lingüísticas e por um desenvolvimento histórico comum. Esses povos habitam hoje o Oeste, o Leste e o Sul da Europa, espalhando-se também pelas Américas Central e do Sul.
Seja qual for a origem exata dos povos latinos, sabe-se que não só se uniram a outros povos, como também mesclaram seus costumes. Pode-se dizer que a característica principal do povo latino é a da pluralidade. Dessa forma, o conceito de "latinidade" se amplia, ganhando a forma do pluralismo cultural e da miscigenação.
O Brasil é um país com profundas raízes latinas, trazidas pelos colonizadores portugueses e reforçadas pela imigração dos trabalhadores italianos e de outros povos. Mas nossa latinidade torna-se única e fortalecida quando percebemos a influência negra e indígena existente em nossa cultura.
Essa "tropicalização" da latinidade fez do Brasil um gigante pluricultural que pode enfatizar as palavras de Jorge Amado: "Sou brasileiro puro-sangue [...] uma mistura de português, de negro, de índio, de italiano e, possivelmente, em medida igual, de alemão e de árabe". É justamente essa mistura de raças e de culturas que torna o povo brasileiro único em identidade, capaz de se ajustar criativamente a toda e qualquer realidade.
Atualmente, a mundialização da tecnologia e da economia, ou seja, a "globalização", tende a uniformizar os hábitos e a cultura, beneficiando os países mais poderosos. Torna-se necessário, pois, reforçar e valorizar a latinidade, visto que a identidade dos povos que habitam a América Latina é a principal característica que pode nos manter unidos, na defesa de nossos interesses. O desenvolvimento justo e necessário de nosso continente depende da preservação de nossa herança latina.
Dia dos Metalúrgicos
Metais
O grande progresso tecnológico que a humanidade atingiu deve-se, em grande parte, à evolução do domínio dos metais. De acordo com o Dicionário Houaiss, a metalurgia é o "ramo da engenharia que se ocupa da produção de metais e de suas ligas, bem como de sua adequação ao uso", como também é o "estudo das reações químicas que intervêm nos processos de fabricação dos metais e das propriedades físicas, químicas e mecânicas dos materiais metálicos". A Revolução Industrial, ocorrida no século XVIII, acelerou o progresso da metalurgia ao substituir a mão-de-obra pelas máquinas, nas fábricas. O metal começou a ser utilizado em larga escala na fabricação de equipamentos, dando origem à chamada "indústria de base", especializada na transformação dos metais para aplicação em outras indústrias.
O progresso industrial floresceu no Brasil a partir da década de 1930, em razão da queda da economia cafeeira. Com o advento da produção em série e em larga escala, muitos trabalhadores deixaram o campo, em busca de emprego na cidade. Surgiu o operário industrial, o operador de máquinas, o encarregado de produção nos mais variados tipos de indústria. Assim, surgiu o metalúrgico.
O metalúrgico é, antes de tudo, um especialista. No início da indústria, eram empregados os ferreiros, armeiros e pessoas que tivessem conhecimento das ligas metálicas e de como trabalhar o metal. Nos dias de hoje, o metalúrgico se divide entre os diversos ramos da metalurgia, de acordo com seu nível de conhecimento. O de formação técnica e especializada atua no chamado "chão de fábrica", dando forma e acabamento aos diversos produtos derivados dos metais. O de formação superior e científica - o engenheiro metalúrgico - se ocupa da extração de minérios, da sua transformação em metais e ligas metálicas e da sua utilização na produção de máquinas, estruturas metálicas ou peças. Cabe a ele a tarefa de adequar os materiais metálicos às funções a que serão submetidos. Esse ofício exige um profundo conhecimento da composição e das características dos metais.
Por constituírem uma das mais numerosas classes de trabalhadores do país, os metalúrgicos se organizaram em fortes sindicatos para lutar pelos direitos da categoria. Sua grande força política e formadora de opinião fez surgir muitos nomes famosos, que hoje representam a classe trabalhadora no cenário político nacional. Um exemplo é o presidente da República Luís Inácio Lula da Silva, eleito para os mandatos de 2003 e 2007. Foi aposentado como torneiro-mecânico e foi fundador e primeiro Presidente do partido dos Trabalhadores (PT).
Dia do Pedagogo
Dia Nacional da Paz no Trânsito
Dia da União Naciona
Dia do Têxtil
Dia do Carinho (RJ/2004)


Escrito por mnegocio às 08h23
[] [envie esta mensagem
] []





Datas
0753 a.C. - Foi fundada a cidade de Roma, hoje capital da Itália. Roma é a capital da Itália, é uma comuna italiana e está sediada na província de mesmo nome, na região do Lácio. Conhecida internacionalmente como A Cidade Eterna pela sua história milenar,1 Roma espalha-se pelas margens do rio Tibre, compreendendo o seu centro histórico com as suas sete colinas: Palatino, Aventino, Capitólio (Campidoglio), Quirinal, Viminal, Esquilino, e Célio. Segundo o mito romano, a cidade foi fundada por volta do ano 753 a.C..2 (data convencionada) por Rómulo e Remo, dois irmãos criados por uma loba, que são atualmente símbolos da cidade. Desde então tornou-se no centro da Roma Antiga (Reino de Roma, República Romana, Império Romano) e, mais tarde, dos Estados Pontifícios, Reino de Itália e, por fim, da República Italiana.
Collage Rome.jpg
No interior da cidade encontra-se a Cidade do Vaticano (ou Santa Sé), sede da Igreja Católica Apostólica Romana e residência do Papa, que também é bispo de Roma. É a única cidade do mundo a hospedar no seu interior um Estado estrangeiro (o Vaticano), por tal motivo com frequência definido como capital de dois estados.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Roma
1993 - Um plebiscito aprovou a continuidade do regime presidencialista no Brasil. A maioria dos eleitores votou a favor do regime republicano e do sistema presidencialista, maneira pela qual o país havia sido governado desde a Proclamação da República 104 anos antes – com exceção de uma breve experiência parlamentar entre 1961 e 1963,1 3 que também havia sido derrotada num plebiscito. Apesar da veiculação de propaganda eleitoral gratuita nas emissoras de rádio e televisão, o comparecimento às urnas foi relativamente pequeno (74,3%), considerando que o voto é obrigatório no país.
Plebiscito  de 1993
Aniversários
1920 - Anselmo Duarte, Anselmo Duarte Bento (Salto, 21 de abril de 1920 — São Paulo, 7 de novembro de 2009) foi um ator, roteirista e cineasta brasileiro. Começou no cinema como figurante no inacabado filme de Orson Welles no Brasil, "It's All True" (1942). Com "Carnaval no Fogo" (1949), produzido na Atlântida e dirigido por Watson Macedo, ele se torna um dos maiores galãs que o cinema brasileiro já teve.
Anselmo Duarte, em cena de A Madona de Cedro (1968)
1926 - Rainha Elizabeth II, rainha da Inglaterra: Elizabeth II (1926) é a Rainha da Inglaterra. Em 2012, comemora o Jubileu de Diamante, 60 anos de Reinado. É a monarca do Reino Unido, que é formado pela Grã-Bretanha (Inglaterra, Escócia, País de Gales) e Irlanda do Norte. É a líder de mais 15 reinos da Commonwealt (Comunidade das Nações): Austrália, Antígua e Barbuda, Belize, Barbados, Canadá, Bahamas, Granada, Ilhas Salomão, Jamaica, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, St Lúcia, São Cristóvão e Neves, São Vicente e Granadinas e Tuvalu.
Elizabeth II (1926) nasceu em Mayfair, em Londres, Inglaterra, no dia 21 de abril de 1926. Primeira filha do Duque e da Duquesa de York, posteriormente Rei George VI e Rainha Elizabeth (Rainha Mãe). Sua irmã Margareth, nasceu quando Elizabeth estava com quatro anos. Quando Elizabeth nasceu, a coroa estava em poder de seu avô George V, que foi o primeiro membro da dinastia de Windsor, a ser coroado. Elizabeth era a terceira na linha sucessória da coroa, atrás de seu tio Edward e de seu pai George. Em 1936 com a morte de seu avô, ascende ao trono, seu tio Edward VIII, que abdicou antes de um ano. George VI, assume a coroa e permanece no trono entre 11 de dezembro de 1936 e 06 de fevereiro de 1952.
Elizabeth Alexandra Mary de Windsor foi educada em casa, estudou história constitucional e leis, religião e línguas modernas.
Rainha Isabel II do Reino Unido.jpg
A Rainha Isabel II nas comemorações do seu aniversário de oitenta anos.
Mortes
1910 - Mark Twain, Samuel Langhorne Clemens (Florida, Missouri, 30 de novembro de 1835 — Redding, Connecticut, 21 de abril de 1910), mais conhecido pelo pseudônimo Mark Twain, foi um escritor e humorista norte-americano. É mais conhecido pelos romances The Adventures of Tom Sawyer (1876) e sua sequência Adventures of Huckleberry Finn (1885), este último frequentemente chamado de "O Maior Romance Americano".
Twain em 1907
Capa da primeira edição de Adventures of Huckleberry Finn
1985 - Tancredo Neves, Tancredo de Almeida Neves GCTE (São João del-Rei, 4 de março de 1910 — São Paulo, 21 de abril de 1985) foi um advogado, empresário e político brasileiro, tendo sido primeiro-ministro de 1961 a 1962, ministro da Justiça e Negócios Interiores de 1953 a 1954, ministro da Fazenda em 1962, e governador do estado de Minas Gerais de 1983 a 1984.
1998 - Luís Eduardo Magalhães, Luís Eduardo Maron Magalhães (Salvador, 16 de março de 1955 — Brasília, 21 de abril de 1998) foi um político brasileiro. Filho do ex-governador da Bahia e ex-senador pelo estado, Antônio Carlos Magalhães, era considerado o provável sucessor de seu pai no meio político. Foi deputado estadual de 1979 a 1987 e deputado federal de 1987 até sua morte, sendo presidente da Câmara dos Deputados durante o biênio de 1995 a 1997. Estava em pré-campanha ao governo da Bahia pelo PFL em 1998 e era tido como o próximo governador da Bahia. Entretanto, morreu de enfarto fulminante aos 43 anos. Era apelidado de "Príncipe" dos deputados.
2006 - Telê Santana, Telê Santana da Silva (Itabirito, 26 de julho de 1931 — Belo Horizonte, 21 de abril de 2006) foi um dos mais importantes treinadores e jogadores da história do futebol brasileiro. Após perder duas Copas do Mundo no comando da Seleção Brasileira, amargou por muito tempo a fama de "pé-frio". Mesmo assim, em pesquisa realizada pela revista esportiva Placar, nos idos dos anos 1990, foi eleito por jornalistas, jogadores e ex-atletas o maior treinador da história da Seleção Brasileira de Futebol. A partir de 1990 até o início de 1996, comandou o São Paulo, conquistando duas vezes a Taça Libertadores da América e a Copa Intercontinental. É considerado o maior treinador são-paulino em todos os tempos e um dos ídolos do clube, sendo apelidado pela torcida com a alcunha de "Mestre Telê".
Como jogador, é ícone do Fluminense pela intensa dedicação que ofereceu ao seu clube do coração — que valeu-lhe o apelido "Fio de Esperança" —, onde também começou a sua vitoriosa carreira de treinador de futebol.
Até hoje é o técnico que mais dirigiu o Atlético Mineiro em jogos oficiais1 com 434 jogos.
Telê Santana da Silva 01.jpg


Escrito por mnegocio às 07h56
[] [envie esta mensagem
] []





2013,domingo,20,abril
  lua cheia
Domingo de Páscoa
Ficheiro:Rafael - ressureicaocristo01.jpg
Ressureição do Cristo
Paskhakustodiev.jpg
Páscoa (do hebraico Pessach), significando passagem através do grego Πάσχα) é um evento religioso cristão, normalmente considerado pelas igrejas ligadas a esta corrente religiosa como a maior e a mais importante festa do Cristianismo. Na Páscoa os cristãos celebram a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte por crucificação (ver Sexta-Feira Santa) que teria ocorrido nesta época do ano em 30 ou 33 dC. A Páscoa pode cair em uma data, entre 22 de março e 25 de abril. O termo pode referir-se também ao período do ano canônico que dura cerca de dois meses, desde o domingo de Páscoa até ao Pentecostes.
Cálice e Hóstia
O nome páscoa surgiu a partir da palavra hebraica "pessach" ("passagem"), que para os hebreus significava o fim da escravidão e o início da libertação do povo judeu (marcado pela travessia do Mar Vermelho, que se tinha aberto para "abrir passagem" aos filhos de Israel que Moisés ia conduzir para a Terra Prometida).
Ainda hoje a família judaica se reúne para o "Seder", um jantar especial que é feito em família e dura oito dias. Além do jantar há leituras nas sinagogas.
Para os cristãos, a Páscoa é a passagem de Jesus Cristo da morte para a vida: a Ressurreição. A passagem de Deus entre nós e a nossa passagem para Deus. É considerada a festa das festas, a solenidade das solenidades, e não se celebra dignamente senão na alegria.
Em tempos antigos, no hemisfério norte, a celebração da páscoa era marcada com o fim do inverno e o início da primavera. Tempo em que animais e plantas aparecem novamente. Os pastores e camponeses presenteavam-se uns aos outros com ovos.
Ovos de Páscoa
De todos os símbolos, o ovo de páscoa é o mais esperado pelas crianças.
Nas culturas pagãs, o ovo trazia a idéia de começo de vida. Os povos costumavam presentear os amigos com ovos, desejando-lhes boa sorte. Os chineses já costumavam distribuir ovos coloridos entre amigos, na primavera, como referência à renovação da vida.
Existem muitas lendas sobre os ovos. A mais conhecida é a dos persas: eles acreditavam que a terra havia caído de um ovo gigante e, por este motivo, os ovos tornaram-se sagrados.
Os cristãos primitivos do oriente foram os primeiros a dar ovos coloridos na Páscoa simbolizando a ressurreição, o nascimento para uma nova vida. Nos países da Europa costumava-se escrever mensagens e datas nos ovos e doá-los aos amigos. Em outros, como na Alemanha, o costume era presentear as crianças. Na Armênia decoravam ovos ocos com figuras de Jesus, Nossa Senhora e outras figuras religiosas.
Pintar ovos com cores da primavera, para celebrar a páscoa, foi adotado pelos cristãos, nos século XVIII. A igreja doava aos fiéis os ovos bentos.
A substituição dos ovos cozidos e pintados por ovos de chocolate, pode ser justificada pela proibição do consumo de carne animal, por alguns cristãos, no período da quaresma.
A versão mais aceita é a de que o surgimento da indústria do chocolate, em 1830, na Inglaterra, fez o consumo de ovos de chocolate aumentar.
Coelho
O coelho é um mamífero roedor que passa boa parte do tempo comendo. Ele tem pêlo bem fofinho e se alimenta de cenouras e vegetais. O coelho precisa mastigar bem os alimentos, para evitar que seus dentes cresçam sem parar.
Por sua grande fecundidade, o coelho tornou-se o símbolo mais popular da Páscoa. É que ele simboliza a Igreja que, pelo poder de cristo, é fecunda em sua missão de propagar a palavra de Deus a todos os povos.
Cordeiro Pascal
Josefa cordeiro-pascal.jpg
Autor Josefa de Óbidos(de 1660 a 1670)
O cordeiro é o símbolo mais antigo da Páscoa, é o símbolo da aliança feita entre deus e o povo judeu na páscoa da antiga lei. No Antigo Testamento, a Páscoa era celebrada com os pães ázimos (sem fermento) e com o sacrifício de um cordeiro como recordação do grande feito de Deus em prol de seu povo: a libertação da escravidão do Egito. Assim o povo de Israel celebrava a libertação e a aliança de Deus com seu povo.
Moisés, escolhido por Deus para libertar o povo judeu da escravidão dos faraós, comemorou a passagem para a liberdade, imolando um cordeiro.
Para os cristãos, o cordeiro é o próprio Jesus, Cordeiro de Deus, que foi sacrificado na cruz pelos nossos pecados, e cujo sangue nos redimiu: "morrendo, destruiu nossa morte, e ressuscitando, restituiu-nos a vida". É a nova Aliança de Deus realizada por Seu Filho, agora não só com um povo, mas com todos os povos.
Círio Pascal
Ficheiro:DeaconsingingExsultet2007.jpg
É uma grande vela que se acende na igreja, no sábado de aleluia. Significa que "Cristo é a luz dos povos".
Nesta vela, estão gravadas as letras do alfabeto grego"alfa" e "ômega", que quer dizer: Deus é princípio e fim. Os algarismos do ano também são gravados no Círio Pascal.
O Círio Pascal simboliza o Cristo que ressurgiu das trevas para iluminar o nosso caminho.



Escrito por mnegocio às 11h26
[] [envie esta mensagem
] []





Dia do Diplomata
Dia do Diplomata
A Diplomacia é a carreira do momento. As mudanças nas relações internacionais estão ocorrendo de maneira acelerada e intensa. A cooperação entre povos e países no século XXI demandará esforço e atenção contínuos. O diplomata tem de ser capaz, entre outros, de bem representar o Brasil perante a comunidade de nações; colher as informações necessárias à formulação de nossa política externa; participar de reuniões internacionais e, nelas, negociar em nome do Brasil; assistir as missões no exterior de setores do governo e da sociedade; proteger seus compatriotas; e promover a cultura e os valores de nosso povo.
Itamaraty
Você já pensou em ser diplomata?
Você se interessa pelo que acontece no mundo?
Tem vocação de servir ao interesse público?
O diplomata deverá estar preparado para tratar --- tendo sempre como ponto de referência os interesses do país --- de uma série de temas, que vão desde paz e segurança, normas de comércio e relações econômicas e financeiras até direitos humanos, meio ambiente, tráfico ilícito de drogas, fluxos migratórios, passando, naturalmente, por tudo que diga respeito ao fortalecimento dos laços de amizade e cooperação do Brasil com seus múltiplos parceiros externos.
Hoje, sucedem-se reuniões de Chefes de Estado e de Governo, congressos de parlamentares, encontros empresariais, seminários técnicos, conferências de organizações não-governamentais, numa indicação clara de que os temas internacionais interessam crescentemente um número maior de representantes da sociedade.
Itamaraty
O Ministério das Relações Exteriores é o órgão do governo encarregado de auxiliar o Presidente da República na formulação da política externa brasileira, assegurar sua execução e manter relações com governos estrangeiros --- dimensão bilateral da diplomacia --- e com organismos internacionais --- dimensão multilateral.
Para o Itamaraty, tal evolução enriquece e pauta a atuação do diplomata. No exercício de suas funções de defender os interesses do Brasil no exterior e de contribuir para o entendimento entre os países, o diplomata tem de estreitar a coordenação não só com seu governo, mas também com a sociedade da qual provém.
Essa noção de diplomacia pública, que orienta as atividades do Itamaraty, constitui a principal fonte de renovação e, ao mesmo tempo, de legitimidade de nossa carreira diplomática.
Dentre as funções principais do Itamaraty, destacam-se:
- colher as informações necessárias à formulação e execução da política exterior do Brasil;
- dar execução às diretrizes de política externa estabelecidas pelo Presidente da República;
- representar o governo no exterior;
- negociar e celebrar tratados, acordos e demais atos internacionais;
- organizar, instruir e participar de missões especiais em conferências e reuniões internacionais;
- proteger cidadãos brasileiros no exterior;
- promover os produtos nacionais em outros mercados; e
- tratar da promoção cultural do Brasil no exterior.
O nome Itamaraty vem da associação da sede do Ministério na Rua Larga, no Rio de Janeiro, desde 1899, a seu antigo proprietário, o Barão Itamaraty. O costume tornou-se lei em 1967. Para dar cumprimento a suas funções, o Itamaraty conta, hoje, no exterior com 90 Embaixadas, 7 Missões junto a organismos internacionais, 36 Consulados e 15 Vice-Consulados.
Em Brasília, na Secretaria de Estado das Relações Exteriores (SERE), a estrutura do Itamaraty foi concebida para permitir melhor coordenação, sem centralização, das questões de interesse para a política externa.
IRBR
O Instituto Rio Branco (IRBr) foi criado em 18 de abril de 1945, como parte da comemoração do centenário do nascimento de José Maria da Silva Paranhos Junior, o Barão do Rio Branco, o patrono da diplomacia brasileira.
Em março de 1946, estabeleceu-se o Curso de Preparação à Carreira de Diplomata do IRBr, cuja primeira turma foi composta de 27 Cônsules de Terceira Classe, como se chamavam então os Terceiros-Secretários de hoje. É desta data também a obrigatoriedade de concurso público pelo IRBr para o acesso à carreira.
Os objetivos do IRBr sempre foram:
- harmonizar os conhecimentos adquiridos nos cursos universitários com a formação para a carreira diplomática;
- desenvolver a compreensão dos elementos básicos da formulação e execução da política externa brasileira; e
- iniciar os alunos nas práticas e técnicas da carreira.
Ao longo de seus mais de 50 anos, as mudanças nas necessidades da atividade diplomática resultaram em ajustes regulares nas normas e nos programas do Instituto, com vistas a manter atualizada a formação do diplomata brasileiro.
Já passaram pelo Instituto mais de 1250 diplomatas brasileiros e 140 estrangeiros.
2. Decreto Nº 66.217 -17/02/1970: A tarefa do diplomata exige muito tato e permanente articulação com as esferas de poder, não só dentro do país como fora dele. O dia 20 de abril de 1850 marca o nascimento de José Maria da Silva Paranhos, o Barão do Rio Branco, importante personalidade das Relações Exteriores no final do século XIX e início do século XX.
Foi deputado (1868/1872), Secretário Particular na missão de negociação de paz com o Paraguai (1870/1871) e Cônsul-Geral em Liverpool (1876). No período que esteve a frente do Ministério das Relações Exteriores (1902-1912), o Barão do Rio Branco foi responsável pela consolidação das atuais fronteiras do país, e por importante modernização das ações da Chancelaria brasileira.Apesar de muitas vezes trabalhar em terras estrangeiras, engana-se quem pensa que o diplomata aos poucos perde o contato com as questões de sua Nação. Pelo contrário: sua função é defender, lá fora, os interesses de seu país, e difundir a imagem do mesmo para possibilitar negociações políticas e econômicas mais favoráveis.
Além disso, o profissional incumbe-se de promover nossa cultura e valores, trata de temas delicados e atuais como segurança, paz, normas de comércio, direitos humanos, meio ambiente, tráfico de drogas, migração e laços de cooperação e amizade entre as nações.
Instituto Rio Branco-A diplomacia é uma das carreiras do momento. As mudanças nas relações internacionais fervilham, e o Brasil, através do célebre Instituto Rio Branco, tem aparato para ajudar na construção de um mundo mais próspero, estável e justo. O instituto é responsável por:
- recrutar, selecionar e formar pessoal para a Carreira de Diplomata
- executar cursos de aperfeiçoamento ou especialização de servidores do Ministério
- organizar cursos de extensão, seminários e estágios destinados a profissionais com atuação na área de política exterior.
Como seguir carreira - A admissão à carreira diplomática é feita através de concurso promovido pelo Instituto Rio Branco.
3. As funções do diplomata são: informar, representar e negociar. A ele cabe manter o seu país informado sobre os acontecimentos internacionais, difundir a boa imagem de seu país no exterior e defender os interesses da pátria em negociações com outros países ou comunidades internacionais.
O diplomata não pode, porém, estar ligado apenas à política externa, visto que ele precisa ser um excelente articulador dos assuntos internos de seu país. Ao conhecer e identificar os interesses nacionais por meio do seu contato com os funcionários do governo, com os parlamentares e com a sociedade, o diplomata será mais eficiente em sua atuação no exterior. Cabe a ele, pois, unir os interesses setoriais e sua coordenação para integrarem a política externa da nação.
Em razão de a atividade da diplomacia estar ligada à presença física desse agente governamental no exterior, é preciso que ele resida fora de seu país. Mesmo com o progresso dos meios de comunicação, como a internet, nada substitui a presença nos países com os quais há relações diplomáticas. Somente assim é que o diplomata pode obter dados seguros para traçar uma política externa eficiente.
A história da diplomacia brasileira estende-se desde a época da Colônia, com especial destaque a partir da República Velha. Naquela época, o Brasil traçou as diretrizes de sua política externa, as quais perduram até hoje. O Itamarati afirmou-se como instituição preponderante na condução da política externa, e as principais questões de fronteira do Brasil foram solucionadas, de forma definitiva, com os países vizinhos. Além disso, definiu-se um perfil de atuação em negociações regionais e mundiais, sobretudo durante a gestão do Barão do Rio Branco como chanceler, de 1902 a 1912.
José Maria da Silva Paranhos, o Barão do Rio Branco, nasceu em 20 de abril de 1845. Foi deputado, secretário particular na missão de negociação de paz com o Paraguai e cônsul-geral em Liverpool, Inglaterra, em 1876. No período em que comandou o Ministério das Relações Exteriores, foi responsável pela consolidação das atuais fronteiras do país e pela importante modernização das ações da Chancelaria Brasileira. Em virtude dos relevantes serviços prestados à nação, o Barão do Rio Branco é considerado o Patrono da Diploma Brasileira, razão pela qual foi escolhida a data do nascimento para comemorar o Dia do Diplomata.


Escrito por mnegocio às 11h11
[] [envie esta mensagem
] []





Dia do Disco
Capa de disco Copacaban(Revista ADG, nº 28, outubro de 2003A data de 20 de abril foi instituída como O Dia do Disco, em 1978, por ser o dia do aniversário da morte de Ataulfo Alves. O trabalho de criação gráfica das capas de discos no Brasil começou antes mesmo de surgirem as escolas de design no país (somente no final da década de 1940). Os profissionais geralmente eram autodidatas, oriundos das áreas de ilustração, fotografia, propaganda e artes plásticas. Os primeiros discos, conhecidos como 78 rpm, eram embalados em um envelope padrão de papel fino, tipo kraft, impresso com a propaganda da loja ou da gravadora.
Fonte: Revista ADG nº. 28 - pág.55
Dia do Poeta Paraibano
Augusto dos Anjos
O dia do Poeta Paraibano que foi instituído, por Lei Estadual, como sendo o dia 20 de abril
Versos Íntimos
Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!
Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.
Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.
Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija
!
Vídeo: Versos Íntimos, performance Gustavo Magno
A Paraíba criou para seus poetas um dia só deles, para festejar. Uma lei estadual instituiu o 20 de abril como o “Dia do Poeta Paraibano”. Esta foi a data de nascimento do poeta Augusto dos Anjos.
A cor que me deste em rosa
Me despertou assim despetalada
Já meio parto dessa madrugada
Nasci doente de amor, passada
Da minha hora de nascer e à luz
De uma velinha que cobriu o mundo
E deu-me a sombra dada ao vagabundo
Que tem o céu por casa sem o ter
E o azul por manto protetor
Para vestir a pele quando a dor
O visitar na hora de viver.
(Socorro Lira)
Socorro Lira - Nascida em Brejo do Cruz, sertão paraibano, Socorro Lira é cantora, compositora e violonista. Tem cantado a cultura de sua terra,  “de modo que minha canção não deverá jamais se afastar dessa motivação inicial que é um certo apaixonamento pela vida e seus motivos. A justiça, a liberdade, o serviço, a compaixão, a paixão, o afeto, o amor irrestrito… para mim essas forças são tão necessárias quanto oxigênio, água e pão”.


Escrito por mnegocio às 11h06
[] [envie esta mensagem
] []





Aniversários
1845 - Barão do Rio Branco, político, diplomata e historiador fluminense. Participa, ainda, da disputa pelo Acre com a Bolívia. Seu nome foi inspiração para o nome da capital do Acre. Rio de Janeiro, Brasil. José Maria da Silva Paranhos Júnior, primeiro e único Barão do Rio Branco, (Rio de Janeiro, 20 de abril de 1845 — Rio de Janeiro, 10 de fevereiro de 1912) foi um diplomata, geográfo e historiador brasileiro.
Divulgação/MRE
1889 - Adolf Hitler, ditador alemão, conhecido pela 2ª Guerra Mundial. Redige Mein Kampf (A Minha Luta), que foi a obra referência da filosofia política nazista. Braunnau, Áustria.
Adolf Hitler (Braunau am Inn, 20 de abril de 1889 — Berlim, 30 de abril de 1945), por vezes em português Adolfo Hitler, foi o líder do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães [4] (em alemão Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, NSDAP), também conhecido por Partido Nazi (português europeu) ou nazista (português brasileiro), uma abreviatura do nome em alemão (Nationalsozialistische), sendo ainda oposição aos sociais-democratas, os Sozi. Hitler se tornou chanceler e, posteriormente, ditador alemão. Era filho de um funcionário de alfândega de uma pequena cidade fronteiriça da Áustria com a Alemanha.
Primeira edição do Mein Kampf em alemão, julho de 1925. Exposição do Museu Histórico Alemão em Berlim
1893 - Joan Miró, pintor espanhol. Expoente de grande e viva autonomia do Surrealismo. Joan Miró i Ferrà (Barcelona, 20 de abril de 1893 — Palma de Maiorca, 25 de dezembro de 1983) foi um importante escultor e pintor surrealista catalão.
The Farm, 1921–1922, National Gallery of Art, Washington, DC.
1949 - Jessica Lange, atriz. Concorreu ao Oscar pelos filmes Minha terra, minha vida (1984); Muito mais que um crime (1989); Céu azul (1994). Venceu em 1994. Minnesota, EUA. Jessica Phyllis Lange (Cloquet, Minnesota, 20 de abril de 1949) é uma atriz estadunidense descedente de finlandeses. 
1963 - Maurício Gugelmin, ex-piloto de Fórmula 1, nasceu em Joinville.
1972 - Carmen Electra, Tara Leigh Patrick (Sharonville, 20 de abril de 1972) (nome artístico: Carmen Electra), é uma modelo, atriz e cantora dos Estados Unidos. Sua mãe era cantora e seu pai guitarrista.]
1969 - Ataulfo Alves, Ataulfo Alves de Souza (Miraí, 2 de maio de 1909 – Rio de Janeiro, 20 de abril de 1969[1]) foi um compositor e cantor de samba brasileiro, um dos sete filhos de um violeiro, acordeonista e repentista da Zona da Mata chamado "Capitão" Severino.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ataulfo_Alves
Vídeo: Meus tempos de criança(Ataulfo Alves), na voz de Ataulpho Alves Júnior
1993 - Fortino Mario Alfonso Moreno Reys("Cantinflas")
Nasceu em 12 de agosto de 1911 na cidade de Santa María la Redonda, México. Comediante mexicano nascido na Cidade do México, que graças à verborragia disparatada e à divertida gesticulação, tornou-se o comediante mais popular da América espanhola em meados do século XX. A penúria pela qual passava a família levou-o a suspender os estudos e tornar-se artista ambulante, fazendo sucesso ao dançar e cantar melodias populares de um jeito gaiato, que alternava com discursos galhofeiros. Entrou para o cinema em La mujer del puerto (1933) e aos poucos ganhou outras oportunidades até estrelar Así es mi tierra (1937). Sua fama e popularidade subiram vertiginosamente pela sua interpretação do pelado, o mexicano humilde, com grande dose de ingenuidade, ternura, picardia e sabedoria popular. Criou sua própria produtora, a Rosa Filmes (1940) e o primeiro longa-metragem da produtora foi Ni sangre ni arena (1941), seguido de outros, dirigidos na maior parte por Miguel Delgado, como El gendarme desconocido (1941), Los tres mosqueteros (1942) e El bombero atómico (1950). Após filmar em Hollywood Around the World in Eighty Days (1956), inspirado no romance de Júlio Verne, e Pepe (1960), voltou a seu país, onde continuou a interpretar seu tipo em filmes como El padrecito (1964), El profe (1970) e El basurero (1981), seu último filme ante de morrer em sua cidade natal. Faleceu em 20 de abril de 1993.
Mario Moreno "Cantinflas" en WWW:
Cantinflas Home Page Información sobre la labor altruista del mimo, filmografía, bibliografía y fotos. Sitio creado y mantenido por la Fundación Mario Moreno Reyes, A. C. y la Fundación Mario Moreno "Cantinflas", I. A. P.
Cantinflas Filmography En inglés. Filmografía completa del mimo.
The Internet Movie Database En inglés. Biografía y filmografía.
Discurso de Sua Excelência o Embaixador, na Assembléia Internacional
BR&sl=es&u=http://www.grijalvo.com/America_Mejico_Mexico/Cantinflas_Discurso_Su_Excelencia.htm&ei=846QT8eMNcju0gH53NWiBQ&sa=X&oi=translate&ct=result&resnum=1&ved=0CC0Q7gEwAA&prev=/search%3Fq%3Dcantinflas%2Bpol%25C3%25ADtico%26num%3D100%26hl%3Dpt-BR%26newwindow%3D1%26rls%3Dcom.microsoft:pt-br:IE-SearchBox%26rlz%3D1I7GGHP_pt-BRBR437%26prmd%3Dimvns
Em vídeo:


Escrito por mnegocio às 10h51
[] [envie esta mensagem
] []





2014,sábado,19,abril   lua cheia

Os judeus discutiam entre si: “Como é que ele pode dar a sua carne a comer?” Jesus
Sábado Santo ou Sábado de Aleluia
o que é sabado de aleluia, a vigília pascal
É o dia da espera. Os cristãos junto ao sepulcro de Jesus aguardam sua ressurreição. No final deste dia é celebrada a Solene Vigília Pascal, a mãe de todas as vigílias, como disse Santo Agostinho, que se inicia com a Bênção do Fogo Novo e também do Círio Pascal; proclama-se a Páscoa através do canto do Exultet e faz-se a leitura de 8 passagens da Bíblia (4 leituras e 4 salmos) percorrendo-se toda história da salvação, desde Adão até o relato dos primeiros cristãos. Entoa-se o Glória e o Aleluia, que foram omitidos durante todo o período quaresmal. Há também o batismo daqueles adultos que se prepararam durante toda a quaresma. A celebração se encerra com a Liturgia Eucarística, o ápice de todas as missas.
O Sábado Santo, também chamado Sábado de Aleluia, é o dia antes da Páscoa no calendário de feriados religiosos do Cristianismo. Nas Filipinas, nação notoriamente católica, chama-se a este dia Sábado Negro. O Sábado de Aleluia é o último dia da Semana Santa.
Na tradição católica, é costume os altares serem desnudados, pois, tal como na Sexta-Feira Santa, não se celebra a Eucaristia. As únicas celebrações são as que fazem parte da Liturgia das Horas. Além da Eucaristia, é proibido celebrar qualquer outro sacramento, excepto o da Confissão. São permitidas exéquias, mas sem celebração de missa. A distribuição da comunhão eucarística só é permitida sob a forma de viático, isto é, em caso de morte.
Muitas das igrejas de comunhão anglicana seguem estes mesmos preceitos. Já a Igreja Ortodoxa, bem como os ritos católicos orientais, seguem as suas próprias tradições e possuem terminologia própria para estes dias e respectivas tradições e celebrações. Como é de esperar, apesar de a Páscoa e os dias relacionados serem importantes para todas as tradições cristãs, do Mormonismo ao Catolicismo, as celebrações variam grandemente.
Antes de 1970, os católicos romanos deviam praticar um jejum limitado: por exemplo, abstinência de carne de gado,também as pessoas que contém o conhecimento mas antigo impedem de assistir tv,ouvir musica pois estão em jejum nesse momento voçê está fazendo sacrificios mas consumo de quantidades limitadas de peixe, etc. Em alguns lugares, a manhã do Sábado de Aleluia é dedicada à "Celebração das Dores de Maria", onde se recorda a "hora da Mãe", sem missa.
É no Sábado de Aleluia que se faz a tradicional Malhação de Judas, representando a morte de Judas Iscariotes.
O Sábado Santo pode cair entre 21 de março e 24 de abril No Sábado Santo, é celebrada a Vigília pascal depois do anoitecer, dando início à Páscoa.
Sábado: remonta à Criação, passa pelo Êxodo e vai até ao fim do Apocalipse.
Vigília Páscoal
Diácono canta o canto Exultet
A Vigília de Páscoa, também chamado de Vigília Pascal ou a Grande Vigília, é a celebração mais importante do calendário litúrgico cristão, por ser a primeira celebração oficial da Ressurreição de Jesus. Historicamente, é durante essa celebração que as pessoas (especialmente adultos) são batizados e adultos catecúmenos são recebidos em plena comunhão com a Igreja. É realizada nas horas de escuridão entre pôr-do-sol no Sábado Santo e o amanhecer da Páscoa. É marcada pela primeira entoação desde o início da Quaresma do Glória e do Aleluia, uma característica litúrgica do Tempo Pascal. Do mesmo modo na Ortodoxia Oriental, a Divina Liturgia, que é celebrada durante a Vigília de Páscoa é a mais importante e elaborada do ano eclesiástico.
Na tradição católica romana, a Vigília Pascal consiste de quatro partes:
1)Breve Lucernário
2)Liturgia da Palavra ou Celebração da Palavra
3)Liturgia Batismal ou Celebração da Água
4)Liturgia Eucarística ou Celebração da Eucarístia
A vigília começa após o pôr-do-sol no Sábado Santo fora da igreja, onde o fogo ou fogueira é abençoada pelo celebrante. Este novo fogo simboliza o esplendor do Cristo ressuscitado dissipando as trevas do pecado e da morte. O Círio pascal ou (vela pascal) é abençoado com um rito muito antigo. Esta vela pascal será usado em toda o Tempo Pascal, permanecendo no santuário da igreja , e durante todo o ano em batismos, Crismas e funerais, lembrando a todos que Cristo é a "luz do mundo". Assim que a vela for acesa segue o antigo rito do Lucernário , em que a vela é carregada por um sacerdote ou diácono através da nave da igreja, em completa escuridão, parando três vezes e cantando a aclamação: "Lumen Christi" ou Luz de Cristo (em português),ao qual a assembléia responde "Deo Gratias"(Graças a Deus). A vela prossegue através da igreja, e os presentes portam velas que são acesas no Círio pascal . Como este gesto simbólico representa a "Luz de Cristo" se espalhando por todos, a escuridão é diminuída. Assim que a vela foi colocada num lugar dignamente preparado no santuário, ela é incensada pelo diácono, que entoa solenemente o canto Exulted, de tradição milenar. Ele é conhecido também como Proclamação da Páscoa, ou Pregão Pascal". Nele, a Igreja pede que as forças do céu exultem a vitória de Cristo sobre a morte, passando pela libertação do Egito e até mesmo agradecendo a Adão pelo seu pecado "indispensável", pois as consequências de tal pecado foram o motivo da vinda de Cristo.
Tríduo Pascal
Cristo lavando os pés dos apóstolos, Meister des Hausbuches, 1475 Gemäldegalerie, Berlin
O Tríduo Pascal é o conjunto de três dias celebrados no Cristianismo, composto pela Quinta-Feira Santa, Sexta-Feira Santa e Vigília Pascal, véspera do Domingo de Páscoa. Este último dia já não faz parte do Tríduo Pascal. É celebrado em memória da Paixão, morte e ressureição de Jesus, conforme os Evangelhos.
Desde 1955, com a reforma líturgica, o Tríduo Pascal é um tempo litúrgico mais bem definido, antes as celebrações podiam durar mais de 12 horas.
Após o Glória da Missa da Ceia do Senhor, na quinta-feira, todos os sinos e instrumentos da igreja são silenciados.
Malhação de Judas ou Queima de Judas
Queima de Judas em Juiz de Fora, Brasil (1909)
É uma tradição vigente em diversas comunidades católicas e ortodoxas que foi introduzida na América Latina pelos espanhóis e portugueses. É também realizada em diversos outros países, sempre no Sábado de Aleluia, simbolizando a morte de Judas Iscariotes.Consiste em surrar um boneco do tamanho de um homem, forrado de serragem, trapos ou jornal, pelas ruas de um bairro e atear fogo a ele, normalmente ao meio dia.



Escrito por mnegocio às 11h39
[] [envie esta mensagem
] []





Dia Nacional do Índio
Brazilian indians 000.JPG
Povos indígenas do Brasil
Índios respectivamente das tribos:
Assurini, Tapirajé, Kaiapó, Tapirapés, Rikbaktsa e Bororó
Urubu, sabiá, carioca, mandioca, abacaxi. Muitas palavras como estas, usadas no dia-a-dia, vêm do tupi, uma das línguas mais faladas pelos índios que habitavam o Brasil quando os portugueses chegaram aqui. Eram aproximadamente 3 milhões de nativos. Hoje, segundo a Funai, restam pouco mais de 260 mil, distribuídos em 128 reservas. Sua influência está presente não só na língua, mas em muitos outros aspectos da cultura brasileira. Poucos índios, no entanto, mantêm sua própria cultura. Continuam sendo dizimados pela mesma razão de sempre: a posse da terra.
O dia 19 de abril é um alerta em favor do respeito e da preservação dos povos indígenas.
A população original de índio foi estimada em, aproximadamente, cinco milhões. De acordo com dados do IBGE, hoje, há 358 mil índios em todo o território brasileiro. Embora esse registro aponte para o dobro de seu crescimento em relação à população brasileira, é insatisfatório, pois restaram 215 etnias, das 1.400 existentes, e 180 línguas, das 1.300 faladas antes. Hoje, os índios brasileiros estão espalhados por áreas protegidas pelo governo, as quais são constantemente ameaçadas por posseiros, fazendeiros e exploradores, num aberto desrespeito à legislação vigente.
A população dessas sociedades é muito variável; há grupos relativamente numerosos (terenas, ticuna, guaranis, caingangues, ianomâmis e guajajaras) e outros menos numerosos (jumas, aricapus, ofaciés-xavantes, avás-canoeiros), estes seriamente ameaçados de desaparecimento, pois sua população atual é de apenas algumas pessoas.
Na década de 1950, a classificação das tribos indígenas seguia o conceito das "áreas culturais", criado pelo antropólogo Eduardo Galvão, que agrupava as culturas por regiões geográficas específicas. No Brasil, foram classificados em 11 áreas culturais: Norte-Amazônica; Juruá-Purus; Guaporé; Tapajós-Madeira; Alto-Xingu; Tocantins-Xingu; Pindaré-Gurupi; Paraná; Paraguai; Nordeste e Tietê-Uruguai.
Hoje, essa divisão só é utilizada didaticamente. Cientificamente a divisão que usa a classificação lingüística, utilizando o conceito de "áreas etnográficas", do antropólogo Júlio Cezar Melatti, é a mais correta, pois considera o meio ambiente e a relação do contato social que as tribos estabelecem entre si e com as nacionais, observando as diferenças encontradas no idioma falado, para dividi-las em troncos ou famílias. Foram estabelecidas 33 áreas etnográficas, na América do Sul.
No Brasil, foram encontrados os troncos lingüísticos dos povos tupis, jês e aruaques. O primeiro, originou os tupis-guaranis, munducurus, jurunas, ariquéns, tuparis, mondés, rumaramas, e puruborás. O segundo, os camacãs, maxacalis, coroados, cariris e bororos. E o terceiro, menor, os aruaques e aravaques. Todas essas tribos falam, pelo menos, duas línguas e dois dialetos diferentes.
As tribos não identificadas como ramificações das acima citadas e que se mantiveram como troncos únicos são os caribes, panos, macus, ianomãs, muras, tucanos, catuquinas, txapacuras, nambiquaras e guaicurus. Além disso, uma minoria que não pôde ser classificada, pois fugiu aos padrões lingüísticos estabelecidos, permaneceu como tronco isolado.
Em 19 de abril de 1940, o I Congresso Indigenista Interamericano, reunido no México, instituiu o Dia Pan-Americano do Índio. No Brasil, esse dia foi oficializado graças ao empenho do Marechal Rondon, em 1947. Em São Paulo, passou a ser comemorado apenas em 1951.
De origem indígena, Rondon estimulou a criação do Serviço de Proteção ao Índio (SIP), atual FUNAI, cuja responsabilidade é preservar nossa memória cultural e, sobretudo, preservar a cultura indígena. Sua tarefa principal é promover a educação básica dos índios, demarcar, assegurar e proteger as terras por eles tradicionalmente ocupadas, estimular o desenvolvimento de estudos e pesquisas sobre os grupos indígenas, defender as comunidades indígenas, despertar o interesse da sociedade nacional pelos índios e suas causas, gerir o seu patrimônio e fiscalizar as suas terras, bem como impedir as ações predatórias dos aproveitadores e outras que ocorram dentro de seus limites e representem um risco à vida e à preservação desses povos.
Iniciativas como essa, em legítima defesa dos sofridos povos indígenas, são cada vez mais raras em nosso tempo. Durante as festas do cinqüentenário do descobrimento do Brasil , em 2000, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) decidiu que a Campanha da Fraternidade seria ecumência; o tema "Dignidade humana e paz " e o lema "Novo Milênio sem exclusões" abriram as portas para o amplo debate social sobre o índio brasileiro. Nas comemorações dos 500 anos do descobrimento das Américas, em 2002, o tema da Campanha foi mais contundente: "Povos indígenas - por uma terra sem males", uma justa e grata homenagem aos verdadeiros "proprietários" da terra chamada por eles de Pindorama.
Curiosidades
No México, no ano de 1940, foi realizado o I Congresso Indigenista Interamericano, do qual participaram diversos países da América. Os índios também foram convidados, mas por causa das constantes perseguições e do desrespeito que sofriam, não aceitaram o convite. Dias depois, após uma reflexão sobre a importância do Congresso na luta pelos seus direitos, os índios decidiram comparecer. A data do acontecimento, 19 de abril, tornou-se o Dia do Índio em todo o continente americano.
No Brasil, o decreto nº 5.540 oficializou a data. Foi assinado pelo então presidente Getúlio Vargas, em 1943.
Vídeos
Marchinha de Carnaval: Índio quer apito


Escrito por mnegocio às 11h26
[] [envie esta mensagem
] []





Dia do Exército Brasileiro
O Exército Brasileiro nasceu com a própria nação e, desde então, vem participando da história do Brasil. Logo após o descobrimento, as terras brasileiras foram protegidas pela chamada Força Terrestre, constituída pelo povo, na luta pela sobrevivência, conquista e manutenção do seu território. Em pouco tempo, juntaram-se à Força tanto negros como índios, que, unidos aos brancos, expulsaram os invasores do nosso litoral.
No dia 19 de abril comemora-se o dia do exército brasileiro. A data é marcada pela primeira luta dos povos do Brasil contra a dominação holandesa, em 1648. Os indivíduos que treinam e lutam para defender os espaços e direitos de um país são os integrantes dessa corporação.
O Brasil possui três forças armadas, responsáveis pela defesa do país, e o exército é uma delas.
No período de 1808 até 1967 o responsável pelas ações do exército era o ministério da guerra; entre 1967 e 1999, o controle passou a ser feito pelo ministério do exército. A partir de 1999, criou-se o ministério da defesa, responsável pela defesa nacional, unindo as três forças armadas do país: o exército, a marinha e a aeronáutica.
O comandante supremo do exército brasileiro é o presidente da república, mas existem os cargos hierárquicos dentro da corporação.
As tropas do exército praticam fortes treinamentos, como preparo para operar em circunstâncias de guerra e de conflitos mais extremos. São responsáveis pela segurança da pátria junto às fronteiras, compartilhando tal responsabilidade com os serviços da aeronáutica.
Além disso, o exército participa de campanhas sociais, leva alimentos e faz serviços de atendimento médico às localidades do país que são muito isoladas, onde a população não tem acesso aos mesmos.
Para ingressar no exército do Brasil é necessário participar do alistamento militar, que acontece todos os anos. O serviço militar é obrigatório para os rapazes, que devem se alistar aos dezoito anos de idade. Existem vagas tanto para homens como para mulheres.
Caso haja interesse em participar dessas atividades após os dezoito anos de idade, o candidato deverá apresentar currículo, com graduação superior, podendo exercer cargos mais elevados, como os de tenentes.
A hierarquia do exército está dividida entre a infantaria, a cavalaria e a artilharia, indo de soldados até os cargos da alta patente.
O exército brasileiro é composto ainda por tropas de elite, sepecializadas em missões não convencionais, como a Brigada de Operações Especiais, a Brigada de Infantaria Paraquedista, além das especializadas em defender o bioma nacional.
No setor educacional, o exército desenvolve projetos de pesquisa, na área científico-tecnológica, através do IME (Instituto Militar de Engenharia), uma das melhores faculdades do país.
Quanto aos veículos blindados, entre carros de combate, veículos de tropa e outros, possui uma quantidade bem maior que as outras forças do Brasil.
Por ser mais popularmente conhecido, o exército brasileiro é formado com mais de duzentos mil soldados, tendo um cadastro de reserva que chega a quase quatro milhões.
Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola
Batalha dos Guararapes 19 de abril de 1648
A partir da Batalha de Guararapes(1648), que as bases do Exército Nacional se estabeleceram e foram confirmadas a partir da Independência. Após 1822, a atuação do Exército Brasileiro foi decisiva para derrotar todas as tentativas de fragmentação territorial e social do país. Os colonizadores portugueses, sempre estiveram preocupados com a unificação do extenso território brasileiro. O Exército teve grande importância na manutenção dessa união, primeiro com a expansão territorial obtida com as Entradas e Bandeiras, depois com a atuação do Duque de Caxias.
Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, grande militar e estadista brasileiro, foi titulado Cadete de 1a classe quando tinha apenas 5 anos de idade. Em 1823, teve seu batismo de fogo na Bahia, pois participou da campanha para o reconhecimento português da Independência do Brasil, da qual saiu vitorioso. Depois vieram outras vitórias: Campanha da Cisplatina, Balaiada, Guerra dos Farrapos e Guerra da Tríplice Aliança ou Guerra do Paraguai. O Duque de Caxias faleceu no Rio de Janeiro, em 1880. Foi declarado Patrono do Exército Brasileiro, e o dia do seu nascimento, 25 de agosto, foi escolhido como o Dia do Soldado (veja p.472).
duquedecaxias.jpg
O Exército Brasileiro esteve presente de forma insubstituível na proclamação da República, ao lado do Marechal Deodoro. Naquele período particularmente conturbado, os militares desempenharam papel de moderação, idêntico ao exercido pelo imperador na monarquia, garantindo a sobrevivência das instituições.
No período pós-República, o Exército voltou a contribuir para a interligação do interior brasileiro. Ao prosseguir com o trabalho iniciado pelas Entradas e Bandeiras, o Exército conquistou definitivamente o sertão, por meio do Marechal Rondon, cujo trabalho interligou os sertões aos grandes centros, com levantamento de novas linhas telegráficas, abertura de estradas e construção de postos avançados. Além disso, Rondon foi de extrema importância no contato com os índios, ao organizar e dirigir o Serviço de Proteção ao Índio (SPI), em 1910, transformado em 1967 na Fundação Nacional do Índio (FUNAI). Ver também Dia do Índio (p.162), Dia das Comunicações (p.209) e Dia de Rondon (p.210).
O Exército Brasileiro também teve uma efetiva presença externa, não só na Guerra do Paraguai, como também na Segunda Guerra Mundial, em 1944, quando declarou guerra às potências do Eixo, em represália ao torpedeamento de embarcações brasileiras por parte dos alemães. O presidente Getúlio Vargas criou, então a Força Expedicionária Brasileira, (FEB), que adotou o lema "A cobra está fumando", em razão de haver muitas pessoas, naquela época, que diziam ser mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra. A FEB foi enviada a Itália para unir-se ao exército americano, contra os alemães. Sua atuação eficiente culminou na tomada do Forte de Monte Castelo, abrindo caminho para as tropas aliadas.
A partir da década de 1960, houve grandes transformações, no Exército, haja vista não só os equipamentos e armamentos projetados e fabricados pelas indústrias nacionais, como também a renovação efetuada no sistema de instrução e a reestruturação das atuais divisões de Exército e brigadas, combinações de tropas mais leves e flexíveis, mais adequadas ao ambiente operacional brasileiro. Caxias, o Patrono do Exército com certeza teria orgulho dessa instituição que cumpre, com galhardia e heroísmo o dever de preservar a soberania e a integridade do Brasil.




Escrito por mnegocio às 11h25
[] [envie esta mensagem
] []





Aniversariantes
A era Vargas
Getúlio Vargas nasceu em 19 de abril de 1883 em São Borja, Rio Grande do Sul – um estado onde os ódios partidários perpetuavam-se através de gerações. Sua família, tradicionalmente oposicionista, era federalista (ou maragata), mas seu pai aderiu ao Partido Republicano Rio-Grandense, batendo-se contra seus parentes na guerra civil de 1893-95.
Getúlio sucedeu Prestes no poder e na Time
getulio
Eleito e reconhecido internacionalmente, Prestes virou presidente somente na capa da revista norte-americana
A eleição de Júlio Prestes para a presidência do Brasil, em 1930, desagradou muita gente. Até ali, a República do Café com Leite era sustentada por mineiros e paulistas, mas a predominância dos políticos de São Paulo no comando isolou o Estado. Alguns acreditam que somente fraudes eleitorais explicam Prestes ter ficado à frente de Getúlio Vargas naquela disputa.
De qualquer maneira, assim que ganhou o pleito, Júlio Prestes percorreu Estados Unidos e Europa para legitimar o posto. Foi o primeiro brasileiro com espaço na capa da revista norte-americana Time. Na legenda do retrato posado, olhar ao longe, lia-se: “Presidente eleito do Brasil”. Em 6 de agosto de 1930, Prestes desembarcou na Estação da Luz, em São Paulo, recebido com enorme euforia.
Tudo em vão. Uma revolução colocaria Vargas no poder. O político gaúcho, por sinal, seria o próximo brasileiro retratado na capa da publicação estrangeira.
SAIBA MAIS
1930: O silêncio dos vencidos, de Edgar Decca (Brasiliense, 1982).
1883 - Getúlio Vargas, ex-presidente do Brasil. Foi presidente de 1934, até 1937 (Estado Novo). Foi deposto em 1945, mas voltou à presidência em 1951. Neste dia Getúlio Vargas, ex-presidente do Brasil, comemoraria seu aniversário. Getúlio Dorneles Vargas[nota 1] (São Borja, 19 de abril de 1882 — Rio de Janeiro, 24 de agosto de 1954) foi um advogado e político brasileiro, líder civil da Revolução de 1930, que pôs fim à República Velha, depondo seu 13º e último presidente Washington Luís e impedindo a posse do presidente eleito em 1 de março de 1930, Júlio Prestes.
"O ideal é ainda a alma de todas as realizações".
Vídeo: Getúlio Vargas(Breve história)
1886 - Manuel Bandeira, poeta brasileiro. Em 1917 publicou seu primeiro livro: A Cinza das Horas. Escreveu o poema Vou-me embora pra Pasárgada:
Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei...
O que é Pasárgada?
É o próprio Bandeira quem explica:
“Vou-me embora pra Pasárgada” foi o poema de mais longa gestação em toda minha obra. Vi pela primeira vez esse nome de Pasárgada quando tinha os meus dezesseis anos e foi num autor grego. [...] Esse nome de Pasárgada, que significa “campo dos persas”, suscitou na minha imaginação uma paisagem fabulosa, um país de delícias [...]. Mais de vinte anos depois, quando eu morava só na minha casa da Rua do Curvelo, num momento de fundo desânimo, da mais aguda doença, saltou-me de súbito do subconsciente esse grito estapafúrdio: “Vou-me embora pra Pasárgada!”. Senti na redondilha a primeira célula de um poema [...].
Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho (Recife, 19 de abril de 1886 — Rio de Janeiro, 13 de outubro de 1968) foi um poeta, crítico literário e de arte, professor de literatura e tradutor brasileiro.
Considera-se que Bandeira faça parte da geração de 22 da literatura moderna brasileira, sendo seu poema Os Sapos o abre-alas da Semana de Arte Moderna de 1922. Juntamente com escritores como João Cabral de Melo Neto, Paulo Freire, Gilberto Freyre, Nélson Rodrigues, Carlos Pena Filho e Osman Lins, entre outros, representa a produção literária do estado de Pernambuco.
Arte de amar
Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
Não noutra alma.
Só em Deus - ou fora do mundo.
As almas são incomunicáveis.
Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.
Porque os corpos se entendem, mas as almas não.
1923 - Lygia Fagundes Telles, Lygia Fagundes Telles, nascida Lygia de Azevedo Fagundes [1] (São Paulo, 19 de abril de 1923) é uma escritora brasileira, galardoada com o Prémio Camões em 2005. É membro da Academia Paulista de Letras desde 1982, da Academia Brasileira de Letras desde 1985[2] e da Academia das Ciências de Lisboa desde 1987.
1930 - Armando Bogus, (São Paulo, 19 de abril de 1930 — São Paulo, 2 de maio de 1993) foi um ator brasileiro. ator, participou de novelas brasileiras como Pedra sobre Pedra, Roque Santeiro, Bebê a Bordo e Tiêta.
Armando Bogus1
Armando Bogus


Escrito por mnegocio às 11h20
[] [envie esta mensagem
] []





2014 - Roberto Carlos aniversaria(73) e segue inesquecível
Rei completa 72 anos nesta sexta-feira.
Rei comemora 71 anos de idade hoje cantando seus grandes sucessos no Maracanãzinho. ‘Ele gosta de fazer show nesta data’, conta seu maestro:
Hoje, dia 19 de abril de 2013, Roberto Carlos desembarca em Pelotas
Roberto Carlos desembarca em Pelotas  Marcel Ávila/Especial/
Roberto veio para um show marcado para as 21h com expectativa de público de 15 mil pessoas no Estádio Boca do Lobo, cujas cores do time, Esporte Clube Pelotas, são amarelo e azul. Azul, aliás, é a cor preferida de Roberto Carlos. Há dez mil cadeiras no gramado e outros lugares nas arquibancadas.
2012 - Comemoração dos 71 anos de Roberto Carlos na sua cidade natal:
Biografia
Roberto Carlos Braga (Cachoeiro de Itapemirim, 19 de abril de 1941), mais conhecido como Roberto Carlos, é um cantor e compositor brasileiro. Ele foi um dos primeiros ídolos jovens da cultura brasileira, liderando o primeiro grande movimento de rock feito no Brasil. Além dos discos, estrelou um programa na TV Record, chamado Jovem Guarda (que batizou esse movimento de rock), e filmes inspirados na fórmula lançada pelos Beatles - como "Roberto Carlos em Ritmo de Aventura", "Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-rosa" e "Roberto Carlos a 300km por Hora". Atualmente continua se apresentando com frequência e produz anualmente um especial que vai ao ar na semana do Natal pela Rede Globo, mesma época em que costumavam ser lançados seus discos anuais.
O cantor Roberto Carlos cumprimenta o Papa João Paulo II durante a sua visita ao Brasil, em 1997.
Curiosidades
Ficheiro:Roberto Carlos1.jpg
Vídeo: Calhambeque
Roberto Carlos atua ao vivo para a televisão Portuguesa RTP na década de 60 no programa "Canção é Espectáculo". Foi a primeira vez que o cantor actuou em Portugal, deixando as fãs também aqui em delírio. Um marco na carreira do cantor.
Melhores vídeos de Roberto Carlos
1972 - Rivaldo, Rivaldoo Vítor Borba Ferreira (Paulista, 19 de abril de 1972), conhecido como Rivaldo, é o décimo primeiro maior jogador de todos os tempos[carece de fontes?]. Atua como meia. Atualmente está no Kabuscorp, da Angola. Jogou mais de 60 partidas pela Seleção Brasileira e esteve no lado vencedor na Copa de 2002.
Vídeo: Rivaldo, The Legend


Escrito por mnegocio às 11h03
[] [envie esta mensagem
] []





2014,sexta-feira,18,abril   lua cheia
Ficheiro:Cristo crucificado.jpg
O Cristo crucificado, por Diego Velázquez
A Sexta-Feira Santa, ou 'Sexta-Feira da Paixão', é a Sexta-Feira antes do Domingo de Páscoa. É a data em que os cristãos lembram o julgamento, paixão, crucificação, morte e sepultura de Jesus Cristo, através de diversos ritos religiosos. É quando a Igreja recorda a morte de Jesus. É celebrada a Solene Ação Litúrgica, Paixão e a Adoração da Cruz. A recordação da morte de Jesus consiste em quatro momentos: A Liturgia da Palavra, Oração Universal, Adoração da Cruz e Rito da Comunhão. Presidida por presbítero ou bispo, os paramentos para a celebração são de cor vermelha.
Segundo a tradição cristã, a ressurreição de Cristo aconteceu no domingo seguinte ao dia 14 de Nisã, no calendário hebraico. A mesma tradição refere ser esse o terceiro dia desde a morte. Assim, contando a partir do domingo, e sabendo que o costume judaico, tal como o romano, contava o primeiro e o último dia, chega-se à sexta-feira como dia da morte de Cristo.
Na Igreja Católica, este dia pertence ao Tríduo pascal, o mais importante período do ano litúrgico. A Igreja celebra e contempla a paixão e morte de Cristo, pelo que é o único dia em que não se celebra, em absoluto, a Eucaristia.
Por ser um dia em que se contempla de modo especial Cristo crucificado, as regras litúrgicas prescrevem que neste dia e no seguinte (Sábado Santo) se venere o crucifixo com o gesto da genuflexão, ou seja, de joelhos.


Escrito por mnegocio às 11h50
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]